“E meus olhos te procuravam no meio da multidão, eu sabia que você estava ali, eu sentia isso. Tinha certeza que você também estava me procurando, era um quase encontro. Quase porque você não sabia que eu iria, mas tenho certeza, esperava isso. Na verdade, tinha. Eu podia te imaginar, você usava uma jaqueta azul, que combinava com seu tênis, que combinava com seus olhos. Minhas amigas olharam, para algo que sabia que não deveria olhar. Eu olhei. Era você, justamente com aquela jaqueta azul, com aquele tênis e com aqueles olhos. Que olhavam outra coisa, outro alguém. Você não pode imaginar como eu me senti, e talvez nunca tente. Mas, foi algo parecido com uma explosão. Você explodiu de uma só vez meus sonhos, e o meu pobre coração. Esqueçam o Osama bin Laden, o terrorista mais perigoso do momento tem outro nome. Que eu me recuso a dizer, ele não merece fama a minhas custas. Na verdade, ele não merece nada. Nem meus depoimentos, nem meus telefonemas… Mas, isso é algo que eu contarei depois, não é hora de falar sobre isso. Naquele momento, eu só queria voltar para a casa. E fingir que nada daquilo tinha acontecido. Assim como rasgar uma prova com nota baixa. Mas, não deu. Testemunhas demais. Na verdade, a festa toda. A cinderela naquele dia, foi embora mais cedo para casa. E com os dois sapatos.
Eu precisava chegar em casa para tirar aquela roupa apertada. Ingenuidade. O aperto mal tinha começado. Minha cama estava cheia de roupas, e a última coisa que eu queria fazer, era tirá-las da lá, era muita coisa fora do lugar em apenas uma noite. Eu precisava dormir, mas o meu coração queria me dizer alguma coisa. Eu não entendia, eu não entendo.”

link: http://depoisdosquinze.com/2010/04/cinderela-ao-contrario.html#comments