Eu AMEI esse texto, claro que não perderia a oportunidade de colocar aqui! ((: EIAUHIUHEIAUH

“Seus dedos do pé estavam devidamente encolhidos e guardados, não estava tão frio assim, mas em noites de solidão o edredom costumava a ser sua única companhia protetora.  Em meio a tanta bagunça, ela precisava ver algo que fizesse algum sentido. Não que isso fosse necessariamente possível em um filme, mas essa foi a solução mais simples e rápida que encontrou. Vocês sabem, sua especialidade é provocar problemas e não resolve-los.
O trailer demorou o suficiente, para que desse vontade de ir a cozinha procurar alguma coisa que ela certamente sabia que não tinha. Não foi, desde pequena tem medo de enfrentar a escuridão que existe entre o seu quarto e a cozinha. Eram apenas alguns passos de distância, mas sua imaginação sempre foi fértil o suficiente para que a pequena reta se transoforma-se em um imenso labirinto.  Whatever, isso não importa mais, agora a vontade já passou e o filme começou. A atriz principal era como ela, pelo menos era o que pensava. O mocinho tão apaixonante, que mesmo de longe se apaixonou. Ele era bobo, mas sabia perfeitamente o que queria. O oposto de alguém que ela conhecia, de alguém que comparava a todo momento.  Entre tramas de vilões e quase beijos de mocinhos, ela mergulhou. Sua vida desinteressante, tinha se transformado em pixels de uma televisão cheia de adesivos. E por mais que ela não quisesse acreditar, aquela sensação de felicidade só duraria por mais alguns minutos. O mocinho beijou a noiva, e deixou a nossa pequena sozinha na cama. Mergulhada no vazio, olhando para letras que são impossíveis de acompanhar.
O problema é que filmes com histórias perfeitas sempre acabam mais rápido. E os atores sempre mudam de personagem.  Por mais que isso pareça injusto, o final é necessário. Perfeição tem tempo certo para durar, para sempre enjoa.”

créditos: www.depoisdosquinze.com

Anúncios