A pessoa, o lugar, o objeto

estão espostos e escondidos

ao mesmo tempo sob a luz,

e dois olhos não são bastantes

para captar o que se oculta

no rápido florir de um gesto.

 

É preciso que a lente mágica

enriqueça a visão humana

e do real de cada coisa

um mais seco real extraia

para que penetremos fundo

no puro enigma das figuras.

 

Fotografia – é o codinome

da mais aguda percepção

que a nós mesmos nos vai mostrando

e da evanescência de tudo

edifica uma permanência,

cristal do tempo no papel.

[…]

Fotografia: arma de amor,

de justiça e de conhecimento,

pelas sete partes do mundo

a viajar, a surpreender

a tormentosa vida do homem

e a esperança a brotar das cinzas.

Carlos Drummond de Andrade