“Eu que sempre ando cheia de palavras, fiquei sem. Não optei por guardar ou coisa parecida, me faltaram de verdade. Eu que sempre tenho listas de mil coisas que posso ou devo fazer, fiquei sem ação. Eu que me jurei ser discreta, minha, não me expor, tava ali, sem nada, desarmada e impotente. E precisava dividir minha dor, porque batia fundo na carne, sem armadura, e doía mais forte. Precisava distribuir culpas, ainda que não houvesse. Precisava vomitar tudo que me fugiu, pra não viver de estômago embrulhado. Tá tudo bem, vai passar, sempre passa. Era justamente isso que me chateava, eu não queria que passasse. Não agora, não incompleto, não vivo assim. Não queria abortar a gente. Não, mas eu aceito, não há nada mais que eu possa fazer. Passei anos sendo limitada e acabei viciada em respeitar espaços. Espaços que nem existem, ás vezes. E respeito uma decisão também, um fim antes do final. Odeio, era o que eu menos queria, me chateia, mas eu respeito. Assim, nu e cru, sem clichê pra enfeitar uma decisão pessoal e egoísta. Tá indo porque quer, só. Foi bom, maravilhoso, foi amor. Foi e eu respeito.”

xxx